Mauser HSc

A Mauser HSc é uma das mais inovadoras e elegantes pistolas semi-automáticas jamais fabricadas. Cria ção de uma das maiores produtoras de Armas Leves do mundo - a Waffenfabrik Mauser - esta pistola estava anos-luz à frente de sua época e surgiu em decorrência da disputa comercial com os modelos Walther PP e PPK. Seu design avançado lhe permitiram permanecer em produção até os dias atuais, com mínimas modifica ções, sendo ainda considerada uma das melhores armas de sua categoria.

Em 1934 a Mauser efetuou uma série de aperfeiçoamen-tos em seu já conhecido Modelo 1914, em calibre 7,65 mm, redesignando-o "Modelo 1934", com o qual revitali-zou as vendas desta arma e obteve até mesmo alguns contratos de fornecimento para a SA (Sturm Abteilung, tropa de choque paramilitar do Partido Nazista) e para a Kriegsmarine.

No entanto, o "Modelo 1934", embora descendente de uma arma que havia sido um sucesso comercial, sofria de uma grave deficiência à vista dos novos tempos: era mocha, isto é, não possuía o cão (ou martelo de percus-são) aparente e era de ação simples (para o primeiro tiro tinha que ser engatilhada).

Essas deficiências se tornaram mais graves pelo fato da empresa Karl Walther, da cidade de Zella-Mehlis, na Turíngia, ter alcançado um grande sucesso comercial com seus moderníssimos modelos PP (Polizei Pistole, lançada em 1929) e PPK (Polizei Pistole Kriminal, lançada em 1931. Essas armas associavam de modo perfei to calibres médios de defesa (o 7,65mm Browning e o .380 ACP) com o sistema de dupla ação (para o primei ro disparo, bastava puxar o gatilho que o martelo era armado e liberado, sem necessidade de ser engatilhado, tal qual nos revólveres).

Em 1935, a Mauser registrou as patentes de um novo ti-po de arma, com moderno mecanismo de ação dupla e i-novadores sistemas de retenção do cano no chassi e de segurança. A empresa chamou o projeto de "Hahn Selbst spanner" (HS) ou "Cão Auto-armável", desenvolvido justa-mente para suprir a principal deficiência do modelo 1934.

O primeiro protótipo, datado de 1937, recebeu o nome de "HSa". Após vários testes e simulações de uso, o mode-lo foi sendo aperfeiçoado até que sua terceira versão, cha mada "HSc", foi aprovada para entrar em produção.

Lançado no mercado civil no início de 1939, a Mauser HSc obteve um grande sucesso comercial. Os militares também ficaram surpreendidos com a nova arma, em especial sua compacticidade e design moderno e acabaram por firmar um contrato com a Mauser para o fornecimento de toda a produção para a Wehrmacht.

 

Características técnicas

A grande maioria das pistolas Mauser HSc foi fabricada no calibre 7,65mm Browning, embora alguns exempla-res fossem fabricados em .380 ACP e .22 LR - as quais são muito mais raras. Suas linhas retas (principalmen te o guarda-mato, que sobe em linha reta até a parte inferior do ferrolho) visavam principalmente evitar que a ar-ma enroscasse na roupa ou no coldre em uma situação de emergência. Dentro da mesma filosofia, o cão (ou martelo) era semi-oculto, sendo visível apenas por uma pequena "crista" na parte traseira do ferrolho.

Possuía um cano de 8,5 cm (3,4 polegadas) e não pesa-va mais de 700 gramas quando totalmente municiada com 8 (+1) tiros de 7,65mm, ou 7 (+1) tiros de .380 ACP. Tudo isso medindo apenas 160mm de comprimento total, 110mm de altura e ínfimos 25mm de espessura em seu maior ponto.

Seu cano é retido (não fixado) no chassi por meio de res saltos colocados abaixo da câmara e seu sistema de tra va, embora se situe na lateral esquerda do ferrolho, servia para desconectar o gatilho, tornando o cão não armável, além de bloquear o percurtor (agulha). O gatilho, por ser acentuadamente curvado, é um dos pontos fortes da ar-ma, pois faz com que a força nele aplicada não tenha que ser por demais acentuada, o que prejudicaria a pre-cisão da pistola.

Sua desmontagem também era extremamente simples: existia uma pequena "unha" metálica na parte frontal in-terna do guarda-mato que, uma vez deslocada para bai-xo, liberava o conjunto "ferrolho-cano-mola de recupera- ção", que deslizava para a frente. O carregador era libera do através de um retém situado na base da empunhadura

O cão da pistola, como já foi dito, ficava quase que total-mente oculto pela parte superior traseira da empunhadu-ra, mas seu acionamento era extremamente fácil. Visual-mente, ele aparece apenas como uma protuberância re-cartilhada que é facilmente engatilhada pelo polegar. A empunhadura era composta de duas talas de madeira, com o zigrinado leve e baixo. A acentuada curvatura na parte traseira da arma propiciam uma empunhadura mui-to anatômica e confortável.

Sem dúvida era uma das melhores pistolas produzidas antes do conflito e que tinha apenas de superior a Sauer 38-H.

 

Uma Favorita da Wehrmacht

Pouco depois do início da fabricação em série da HSc, a Wehrmacht firmou um contrato com a Mauser para a aquisição de toda a produção. As pistolas adotadas pelas Forças Armadas alemãs traziam invariavelmente as famosas marcas de aceitação do inspetor militar, chamadas Waffenamts, geralmente estampadas na lateral do guarda-mato, cano e, por vezes, ferrolho (vide tabela).

Ao lado das Walthers PP e PPK, a Mauser HSc foi uma das pistolas compactas mais produzidas durante o III Reich, totalizando cerca de 270.000 exemplares fabricados até 1945, e distribuídos principalmente pa-ra oficiais do Exército, Marinha e Força Aérea. Foi muito popular entre os pilotos da Luftwaffe, pelas mes mas razões que suas rivais da Walther: extrema por-tabilidade, pouco peso, confiabilidade e acabamento exemplar. Com certeza, na Força Aérea seu usuário mais famoso foi o lendário ás ganhador dos Brilhantes da Cruz de Cavaleiro com 258 vitórias aéreas confirma das, Major Walter Nowotny.

Interessante notar que o modelo HSc, sendo designado dentro da fábrica Mauser como "arma compacta em calibre 7,65mm" teve sua numeração de série iniciada como continuação daquela adotada para o Modelo 1934 (do qual foram feitas cerca de 100.000 exemplares) o qual, por sua vez, já havia iniciado sua numeração por volta de 600.000, total este do modelo 1914. Portanto, é quase certo que as Mausers HSc iniciaram sua pró- pria numeração de séria ao redor do número 800.000. Logo, é natural que alguns exemplares deste modelo possuam o timbre numérico superior a um milhão.

Em 1945, ao final da 2ª Guerra Mundial, quando as tropas francesas ocuparam a fábrica Mauser, eles não dei-xaram de providenciar a fabricação e montagem de cerca de 20.000 pistolas HSc, provavelmente para seus ofi-ciais - além de supervisionarem a produção de Lugers e P-38s como "souvenirs" de guerra.

A produção da HSc seria retomada pela Mauser em 1968, que a produziu em quantidade até o final dos anos 70 quando licenciou sua produção para a empresa italiana Renato Gamba, que a reestilizou e a produz atual-mente com o nome de "HSc Super".


Dados técnicos
(para calibre 7,65 mm do III Reich)
Fabricantes: Mauser
Comprimento total: 160 mm
Comprimento do cano: 85 mm
Calibre: 7,65 mm Browning
Peso (descarregada): 700 gramas
Capacidade: 8 cartuchos
Cabos: madeira
Miras: fixas


EK2 - Verso (432x550 pxs - 31 kb) EK2 - Verso (432x550 pxs - 31 kb) EK2 - Verso (432x550 pxs - 31 kb)


Militaria
Principais armas