Por volta de março de 1935, o "véu do segredo" foi levantado e a nova Luftwaffe apresentada ao mundo. Nessa época as aeronaves militares germânicas ainda utilizavam as marcações civis introduzidas em 1933, sempre apresentando uma seqüência alfabética iniciada pela letra "D" de Deutschland (Alemanha), seguida de outras quatro letras identificadoras. Essas letras eram pintadas na cor preta, formando um belo contraste com a pintura dos aviões - normalmente prata natural (RLM 01), cinza claro ou cinza-esverdeado claro (RLM 02).


Aeronaves Terrestres
Código
Descrição
D-Yxxx 1 tripulante, peso até 500 Kg
D-Exxx 1-3 tripulantes, peso até 1 000 Kg
D-Ixxx 1-4 tripulantes, peso entre 1 000 and 2 500 Kg
D-Oxxx 1-8 tripulantes, peso entre 2 500 and 5 000 Kg
D-Uxxx Mono-motor, peso acima de 5 000 Kg
D-Axxx Multi-motor, peso acima de  5 000 Kg
 
Aeronaves Marítimas
Código
Descrição
D-Yxxx 1 tripulante, peso até 600 Kg
D-Exxx 1-3 tripulantes, peso até  2 200 Kg
D-Ixxx 1-4 tripulantes, peso até  5 000 Kg
D-Axxx Multi-motor, peso acima de  5 000 Kg

Essas poucas marcas civis foram consideradas insuficientes para caracterizar as aeronaves de maneira satis-fatória, e em 6 de julho de 1935, foi adotado o uso da Suástica (Hakenkreuz) no lado esquerdo da deriva verti-cal e de uma faixa tricolor (vermelho, preto e branco) - Cores da Velha Prússia e do Império - no lado direito.


Bf 109 V1

Poucos meses depois, em Setembro de 1935, quando todas as tentativas de ocultar a natureza da nova força aérea desapareceram, a forte ligação com o passado foi reafirmada com a inclusão da tradicional cruz militar germânica (a Balkenkreuz) nas cores preto e branco, baseada na antiga marca utilizada durante a I Guerra Mundial. Logo em seguida, uma faixa preta foi adicionda para realçar o original contorno branco. A faixa tricolor também não durou muito, sendo logo retirada e substituída pela tarja vermelha com a Suástica.

No final de 1935, a Luftwaffe deixou de utilizar os códigos civis de cinco letras, substituindo-o por um código militar alfanumérico, identificando a Luftkreis (precursora da Luftgau), a Geschwader, o Gruppe, o Staffel e uma identificação individual da aeronave.



Cruz e Suástica

Durante a II Guerra Mundial todas as aeronaves da Luftwaffe na linha de frente apresentavam a Balkenkreuz (Cruz da Wehrmacht) e a Hakenkreuz (Suástica). A Balkenkreuz localizava-se na parte traseira das laterais da fuselagem, mais especificamente entre o cockpit e a cauda do avião, e também nas partes inferior e superior das asas; a Hakenkreuz aparecia exclusivamente na cauda do avião (deriva vertical) em ambos os lados. Do inicio da guerra (set/1939) até a rendição da Alemanha em maio de 1945, houve algumas alterações nessas insígnias, como podemos observar na tabela abaixo.

Até o final de 1939
Início de 1940 até 1942
De 1943 até 1945

A Hakenkreuz ou Suástica era o símbolo do NationalSozialistische Deutsche ArbeiterPartei (Partido Nacional Socialista dos Trabalhadores Alemães) ou simplesmente NSDAP. Adolf Hitler quando jovem, fazia parte do co-ro de uma igreja católica que era freqüentada por sua família. Suspenso sobre o altar desta igreja, havia uma cruz semelhante a Suástica. Acredita-se que Hitler tenha adaptado este símbolo do cristianismo para o seu movimento. Outra explicação pouco provável, está na mitologia nórdica. Thor, o deus da guerra e do trovão, era simbolizado por quatro relâmpagos estilizados que saiam de um ponto em comum, e cuja aparência asseme-lha-se à Suástica.

No entanto, as origens deste símbolo milenar datam de muito tempo atrás, antes de ter sido adotada pelo mo-vimento nazista, a suástica era considerada um símbolo sagrado de boa sorte e de saúde na Europa pré-cristã e em muitas outras culturas pagãs em todo mundo, incluindo as orientais, egípcia e tribais das Américas. A palavra suástica origina-se do sânscrito (svastika) que significa "um sinal de boa sorte". Existem milhares de símbolos da suástica espalhados pelos quatro cantos do mundo e o mais antigo de todos, até hoje conhecido, data do ano 12.000 a.C.

Além da Balkenkreuz e Hakenkreuz, a maioria das aeronaves da Luftwaffe também apresentava em sua fuselagem, o código do combustível utilizado. A função deste código era de identificar o tipo de combustível. Ele aparecia no interior de um triangulo amarelo ouro com bordas laterais brancas, localizado próximo a tampa do tanque, mais exatamente, logo abaixo desta. Alguns tipos de gasolina utilizados pela Luftwaffe eram: A3 (octanagem 80), B4 ou 87 (octanagem 87) e C3 (octanagem 100); este último era empregado em motores com uma taxa de compressão mais alta.



Bombardeiros, caças pesados, transporte, etc

A maioria dos aviões da linha de frente, exceto aqueles pertencentes às unidades de caça monoposto diurno ou caça-bombardeiro, ou seja, os bombardeiros, bombardeiros de mergulho, caças pesados bimotores de longo alcance, caças noturnos, aviões de transporte, suporte e reconhecimento; levavam um código na parte traseira da lateral da fuselagem e na parte inferior das asas. Este código era constituído de três letras e um número. Os dois primeiros dígitos identificam a Geschwader, o terceiro dígito, geralmente colorido, identifica a aeronave dentro da unidade e o quarto dígito indica a qual Staffel ou Stab a aeronave pertencia. Ver Tabelas de códigos.

Além do código de letras e número localizados na parte lateral traseira da fuselagem e inferior das asas, as aeronaves muitas vezes apresentavam na parte dianteira da fuselagem (próxima ao nariz), o emblema da Geschwader, Gruppe e/ou Staffel ao qual pertenciam.

Como exemplo, temos um Dornier Do 17Z-10 com a marcação R4+LK. Este avião pertencia a Nachtjagdges-chwader 2 (R4) e servia no 2º. Staffel (K). A letra (L) era a identificação individual da aeronave dentro da unida-de.

 

Do 17Z-10, 2./ NJG 2

 

Identificando o 3º. dígito
Cores
Unidades (Prováveis)
 
Azul Geschwader Stab
 
Verde Gruppe Stab
 
Branco 1º, 4º, 7º, 10º ou 13º Staffeln
 
Vermelho 2º, 5º, 8º, 11º ou 14º Staffeln
 
Amarelo 3º, 6º, 9º, 12º ou 15º Staffeln

 

Identificando o 4º. dígito
Gruppen
Stab
Letra/Staffel
Letra/Staffel
Letra/Staffel
Geschwader
A
v
---
---
---
Gruppe I
B
v
H (1º)
v
K (2º)
v
L (3º)
v
Gruppe II
C
v
M (4º)
v
N (5º)
v
P (6º)
v
Gruppe III
D
v
R (7º)
v
S (8º)
v
T (9º)
v
Gruppe IV
E
v
U (10º)
v
V (11º)
v
W (12º)
v
Gruppe V
F
v
X (13º)
v
Y (14º)
v
Z (15º)
v



Caças monopostos e caças-bombardeiros

As insígnias que apareciam na fuselagem dos caças monopostos diurnos, tinham como principal propósito a identificação da unidade e até mesmo do piloto a quem o avião pertencia e eram bastante diversificadas, pos-suíndo uma enorme quantidade de símbolos e esquemas.

A grande maioria dos caças monopostos, apresentava o emblema da Geschwader (a qual pertencia), pintado na parte dianteira da lateral da fuselagem, geralmente entre o cockpit e a hélice. Além desse, podiam apare-cer também o emblema do Gruppe, Staffel e o pessoal do piloto (caso houvesse). Esses emblemas podiam ser vistos juntos, ou seja, aparecerem todos ao mesmo tempo ou apenas um deles. O emblema pessoal do piloto localizava-se geralmente logo ao lado do cockpit.

Alguns ases costumavam também, marcar no leme de seus caças, a quantidade de aviões inimigos já abati-dos por ele, através de pequenas barras verticais e até mesmo com os símbolos das forças aéreas as quais os adversários abatidos pertenciam. Além disso, muitos ganhadores da Cruz de Cavaleiro pintavam também no leme de seus aviões, belos ornamentos nos quais podiam aparecer além do desenho da respectiva meda-lha, o número representando a quantidade de vitórias obtidas (quando da conquista da condecoração) e ramos de carvalho, entre vários outros. Dentre esses ases podemos citar: Heinz Bär, Hans Philipp, Josef Würmheller, Hans-Joachim Marseille, Hermann Graf, Erich Hartmann, Anton Hackl e Heinrich Ehrler...



Bf 109F-4 - Oblt. Werner von Hofe, 7./JG54 - Utti/Finlandia - Junho, 1942




Marcações dos Gruppen

Além do emblema, que era opcional, cada Gruppe possuía um símbolo que o identificava. Este símbolo locali-zava-se na lateral da fuselagem entre a Balkenkreuz e a cauda do avião e possuía o mesmo estilo da Balken-kreuz e Hakenkreuz, exceto pela cor, que era a mesma da utilizada nos números, geralmente com bordas brancas ou pretas). Essas cores serão explicadas mais detalhadamente logo a seguir.

O I Gruppe não possuía símbolo; o II Gruppe possuía uma barra horizontal; o III Gruppe uma barra horizontal ondulada, mais tarde mudou para uma barra vertical; o IV Gruppe inicialmente possuía um círculo, mas por confundir com o símbolo da RAF, foi alterado para uma pequena cruz grega ou ainda, uma barra horizontal ondulada semelhante ao III Gruppe.

I Gruppe II Gruppe III Gruppe IV Gruppe

Posteriormente, foram criados mais dois Gruppen especiais: o Jabo Gruppe (grupo de caças bombardeiros) e o Schlacht Gruppe (grupo de assalto/ataque ao solo). O primeiro tinha como símbolo o desenho de uma bom-ba inclinada, apontada para baixo e o segundo era representado por um triângulo equilátero.

Jabo Gruppe
Schlacht Gruppe



Identificando o Staffel

Além desses símbolos, foi adotado também a combinação de números e cores para melhor identificar o Staffel a qual um avião pertencia. Esses números apareciam na lateral da fuselagem entre o cockpit e a Balkenkreuz. No início, os aparelhos de cada Staffel eram numerados de 1 a 12 e a cor desses números identificava a qual Staffel ele pertencia. Staffeln 1, 4, 7 e 10 usavam números em branco; 2, 5, 8 e 11 números em vermelho ou preto e 3, 6, 9 e 12 números em amarelo. Mais tarde com a criação de um quarto Staffel em cada Gruppe, este sistema foi alterado.


Período inicial (Cada Gruppe possuía 3 Staffeln)
Gruppen
Staffel
Staffel
Staffel
I Gruppe
ou
II Gruppe
ou
III Gruppe
ou
IV Gruppe
10º
11º ou 11º
12º



Período final (Cada Gruppe possuía 4 Staffeln)
Gruppen
Staffel
Staffel
Staffel
Staffel
I Gruppe
ou
II Gruppe
ou
III Gruppe
10º ou 10º
11º
12º
IV Gruppe
13º
14º ou 14º
15º
16º



Identificando a unidade de um caça monoposto

Com este sistema pode-se identificar a Geschwader, o Gruppe, o Staffel e o piloto a quem um avião de caça pertencia. Como exemplo temos a figura abaixo, um Bf 109E-4 contendo o número 10 e uma barra vertical em branco. Significa que era a aeronave número 10 do 7º ou 9º Staffel (depende da época) do III Gruppe. Pois este Gruppe usava uma barra vertical para sua identificação (ver marcações dos Gruppen), como a cor é o branco, então corresponde ao 7º ou 9º Staffel (ver tabela de cores dos Staffeln). Já que a aeronave em questão é um Bf 109E-4 (período inicial 1939-1940), podemos deduzir que trata-se portanto do 7º Staffel.




Bf 109E-4 - Uffz. Hermann Neuhoff, 7./JG53 - Erbenheim - Outubro, 1939


O Staffelkapitän geralmente possuía o avião de número 1. Porém muitas vezes um piloto mais experiente po-dia liderar o Staffel no lugar de um oficial superior e seu avião poderia ter um número diferente.



GruppeStab & GeschwaderStab

Símbolos especiais foram designados para o Geschwaderkommodore e seu Stab, o mesmo acontecendo para o Gruppenkommandeur e seu Stab, que usavam símbolos similares mas não idênticos.

Acompanhando as ilustrações abaixo, podemos verificar os vários símbolos do Geschwaderstab e Gruppestab que apareciam na lateral da fuselagem entre o cockpit e a cauda do avião. Os símbolos eram geralmente pre-tos com as bordas em branco, no mesmo estilo da Balkenkreuz e Hakenkreuz, porém da mesma maneira que acontecia com essas, também surgiram variações deste esquema. Alguns ases muito conhecidos como Hans "Assi" Hahn, Gustav Rödel, Reinhard Seiler e Hannes Trautloft costumavam inverter essas cores, ou seja, utilizavam símbolos brancos com as bordas em preto.



a. GruppeStab

Gruppenkommandeur
ou
ou

Adjutant Technischer Offizier Gruppen Beim Stab

Ex:


Bf 109F-2 - Helmut Bretnutz, Gruppenkommandeur II./JG53




b. GeschwaderStab


Geschwaderkommodore

No inicio do conflito as marcações para indentificação do Geschwaderkommodore eram as seguintes:


ou

Mais tarde, apareceram algumas variações deste esquema, tais como as adotadas por
Werner Mölders
(abaixo à esquerda), Adolf Galland (abaixo à direita) e Josef Priller (abaixo ao centro).


ou

ou





Adjutant IA/Einsatzoffizier Technischer Offizier Major Beim Stab
   

Ex:


Bf 109F-4 - Major Hannes Trautloft, Kommodore JG 54, Siverskaya/URSS - Junho, 1942


Obs: O Grünherz (Coração Verde) originalmente era o emblema pessoal de Hannes Trautloft quando este ser-via no V./JGr.88 da Legião Condor, durante a Guerra Civil Espanhola. Após ele assumir o cargo de Kommodo-re da JG 54 (Jagdgeschwader 54) em 25.08.1940, a insignia tornou-se também o emblema desta, que foi uma das mais bem sucedidas Geschwadern.

Mais tarde, quase no final da guerra, quando a Defesa do Reich tornou-se uma questão de vida ou morte, foi necessário a criação de novos esquemas para melhor destinguir as aeronaves, pois a quantidade de aviões aliados que cruzavam os céus da Alemanha era cada vez maior. Nessa fase, alguns Geschwaderstab e Gruppenstab passaram a utilizar numerais coloridos (verde ou azul) no lugar dos símbolos.


Ta 152H-1 - Obfw. Willi Reschke, Stab/JG 301, Neustadt-Glewe/Alemanha - Abril, 1945



Marcações na fuselagem
Patentes