Medalhas de Ocupação

Quando Adolf Hitler foi indicado Chanceler da Alemanha em 1933, ele imediatamente procurou consolidar seu poder, eliminando seus adversários. Tendo feito isto, e pretendendo reconstruir as Forças Armadas, ele descobriu que essa tarefa seria impossível sem a violação expressa das limitações impostas pelo Tratado de Versalhes, o que não poderia ser realizado sem preparar a Alemanha para uma eventual resposta dos aliados ocidentais.

Assim que teve chance, Hitler denunciou o Tratado de Versalhes e começou a fortalecer as Forças Armadas alemãs, agora chamadas de Wehrmacht. Dentro desta filosofia reinstituiu-se o serviço militar obrigatório em março de 1935, procedeu-se com a ocupação da Renânia (que havia sido declarada uma área desmilitarizada em 1919) em 1936 e, no mesmo ano, foram enviadas tropas para apoiar os nacionalistas de Francisco Franco durante a Guerra Civil Espanhola - a chamada Legião Condor.

Paralelamente a estas ações, a Alemanha começou a exercer pressão diplomática - tendo como arma de chantagem a ameaça militar - a fim de efetuar a anexação de territórios vizinhos estrangeiros habitados pela etnia germânica. Os Aliados (França e Inglaterra, principalmente), desejando evitar a guerra a todo custo - no que viria a ser chamado posteriormente de "Política de Apaziguamento" -, assistiram passivos à anexação da Áustria, desistiram de oferecer qualquer oposição à ocupação e incorporação da Checoslováquia ao III Reich e, por fim, permitiram o retorno da província de Memel (que havia sido cedida à Lituânia após a I Guerra Mundi-al) ao domínio alemão. Esse processo somente teria fim com a invasão da Polônia em setembro de 1939, quando, finalmente, os aliados declararam guerra à Alemanha, iniciando-se o segundo conflito mundial.

Uma série de medalhas, conhecidas como "Medalhas das Guerras de Flores" (uma alusão à recepção que as tropas alemãs tiveram pela população germânica dos territórios anexados), foram criadas para comemorar as três históricas ocupações.

Embora estas medalhas não alcancem grandes preços nos mercados de colecionadores, seu breve estudo é importante para lançar uma luz sobre o conturbado período que antecedeu a II Guerra Mundial e os homens que as utilizaram. Entre estes últimos, figuraram vários pilotos e membros de tripulações da Luftwaffe, cujo po der foi, com certeza, um dos instrumentos mais persuasivos dentre os utilizados por Hitler para alcançar seus objetivos. Daí a ocorrência destas medalhas entre os itens de militaria da Luftwaffe serem constantes.

Medalha Comemorativa de 13 de Março de 1938

Instituída em 1º de maio de 1938, a "Die Medaille zur Erinnerung an den 13. Marz 1938" comemorava a anexação da terra natal de Hitler, a Áustria ao III Reich (o chamado Anschluss). Esta ação foi o primeiro movimento de Hitler em busca do chamado "Lebensraum" (o espaço vital), fortalecendo os flancos do território alemão, ao mesmo tempo que enfraquecia a Checoslováquia.

As tropas alemãs cruzaram a fronteira em 12.03.1938, sem encontrar qualquer resistência, já que o cenário já havia sido preparado por uma série de incidentes provocados pelos nacionais-socialistas austríacos e por um ultimatum dado pelo governo alemão ao chanceler austríaco, que renunciou. Um plebiscito encorajado por Hitler veio a referendar a anexação. A medalha, conhecida também como "Medalha da Anexação da Áustria" ou, ainda, "Anschluss Medaille", foi entregue a todos aqueles que participaram ou contribuíram para a anexa- ção, inclusive os austríacos.

Seu desenho foi baseado no Badge do Dia do Partido de 1938. Na sua frente ela inclui uma figura humana alta de pé segurando uma bandeira com a suástica (representando a Alemanha), ajudando outra figura com os grilhões quebrados (simbolizando os austríacos "libertados") a subir em um pódio que apresenta a águia da Wehrmacht (Wehrmachtadler) e representa o "Grande Reich Alemão". Todas as três medalhas de libertação possuem o mesmo desenho frontal.

O seu reverso traz no centro a inscrição "13 Marz 1938" e o slogan "Ein Volk, Ein Reich, Ein Fuhrer" (um po-vo, um estado, um Líder) - uma das frases preferidas de Hitler e da máquina de propaganda para justificar a política de anexações. A medalha é feita em metal maciço, geralmente bronze ou tombak, em acabamento prateado e os detalhes são muito bem visíveis. A fita era vermelha, com as bordas em pequenas faixas bran-co-preto-branco. A condecoração foi entregue até 13.12.1940, quando um total de 318.689 já haviam sido dis-tribuídas. Em serviço, somente utilizava-se a indicação da medalha na barra de medalha (kleine Ordensschna-lle).

Medalha Comemorativa de 1º de Outubro de 1938

A "Die Medaille zur Erinnering an den 1 Oktober 1938" comemorava a ocupação dos Sudetos (Província da Checoslováquia habitada por alemães) pelo III Reich foi autorizada em 18.10.1938. Hitler empregou táticas diplomáticas precisas a fim não apenas de ane-xar essa região, mas também pavimentar o caminho para a ocupação de toda a Checoslováquia.

Essa condecoração possuí o mesmo desenho frontal que a "Medalha de 13 de março de 1938" e seu reverso apenas difere da anterior no que tange à data (1º. de outubro de 1938). Ela foi entregue a todos que participa-ram da anexação, inclusive as tropas que marcharam nos Sudetos.

Ela também foi presenteada a todos aqueles que participaram na subseqüente criação dos protetorados da Boêmia e da Morávia, ou seja, a anexação do restante do território checo à Alemanha em março de 1939. Pa ra aqueles que já a haviam recebido em razão da ocupação dos Sudetos, uma barra em bronze foi instituída em 01.05.1939, a qual possuía em sua frente uma reprodução do Castelo de Praga, devendo ser fixada na bar ra da medalha.

Tanto a medalha quanto a barra possuem a construção maciça e o acabamento em bronze, com detalhes mui to bem feitos. A fita correspondente era nas cores preto-vermelho-preto, com as bordas brancas. A entrega desta condecoração encerrou-se em 01.12.1939, quando já haviam sido distribuídas 1.162.617 medalhas e 134.563 barras.

 

Medalha Comemorativa do Retorno de Memel

O ato final das ocupações pacíficas levadas a cabo por Hitler antes da II Guerra foi a anexação do distrito (ou Província) de Memel, então pertencente à Lituânia. Esta área da Prússia Oriental, com 160.000 habitantes ti-nha sido cedida aos lituanos logo após a I Guerra Mundial, através da Convenção de Memel de 1924.

Em 20.03.1939 Hitler exigiu ao governo da Lituânia que a região fosse devolvida à Alemanha e, surpreendente-mente, o governo lituano concordou. Assim, em 23 de março de 1939 procedeu-se com a ocupação pacífica da área, através de tropas que desembarcaram de navio. Durante a II Guerra a região de Memel seria palco de ações importantes em duas ocasiões, sendo a primeira durante a Campanha da Polônia (1939) e, por fim, nos dias finais da guerra, quando tropas alemãs defenderam teimosamente o setor sem se render aos soviéticos.

A medalha comemorativa, chamada de "Die Medaille zur Erinnerung an die Heimkerhr des Memellandes" ou simplesmente "Memel Medaille" foi instituída em 01.05.1939. Esta, a última das medalhas de ocupação, foi também desenhada pelo Dr. Klein. Sua frente era idêntica à duas outras condecorações já mencionadas, enquanto seu reverso traz a inscrição "Zur Erinnerung an die Heimkerhr des Memellandes 22. Marz 1939" (Para comemorar o retorno da área de Memel em 22 de março de 1939), cercada por uma coroa de folhas de carvalho.

Esta condecoração foi entregue a todo pessoal militar, civil e político que se distinguiram em ações relaciona-das ao retorno do distrito à Alemanha. A medalha era construída em metal maciço, com acabamento em bron ze e era suspendida por uma fita nas cores branco-vermelho-branco-verde-branco-vermelho-branco, que são as cores da Lituânia. A entrega cessou no final de 1940, quando já haviam sido distribuídas 31.322 medalhas.


 

Condecorações
Marcações na Fuselagem