Braçadeiras de Campanha
(Ärmelbanden)


À medida que a II Guerra mundial progredia, as tropas alemãs (inclusive a Luftwaffe) viam-se envolvidas em batalhas épicas e a necessidade de condecorações que reconhecessem a participação destes soldados nes-tas campanhas surgiu. Uma das alternativas escolhidas por Hitler foi a criação do Ärmelband. Estas eram, em geral, faixas de tecido com nome da Batalha travada e que eram costuradas na manga esquerda do uniforme, a cerca de 15 cm acima do punho da túnica ou sobreveste.

 

Ärmelband Kreta

O Ärmelband "Kreta", instituído em 16 de outubro de 1942, foi o primeiro deste tipo. Seu uso era autorizado por todos aqueles que participaram da invasão da ilha de Creta (Operação Merkur), entre os dias 20-27 de maio de 1941. No caso específico da Luftwaffe, esta condecoração era entregue aos pilotos que tivessem participado de qualquer missão aérea naquela ocasião.

Entre os vários tipos de ações conduzidas pela Luftwa ffe na ilha, podemos citar o transporte dos pára-quedistas que saltaram sobre Creta, o transporte de suprimentos e de reforços (através de plana dores), missões de escolta e de apoio terrestre, bem como missões de ataque aos navios da marinha britânica que tentavam alcançar suas tro-pas na ilha.

Esta condecoração era constituída por uma banda de tecido (em algo-dão) que media 33mm de largura e era confeccionada em cor branca ou bege-claro, com a palavra "Kreta" cercada por dois ramos de folhagens bordados em amarelo-dourado, assim como as bordas.


 

Ärmelband Afrika

Contudo, entre os pilotos da Luftwaffe, o Ärmelband mais comum foi o "Afrika". Criado por Hitler em 15 de janeiro de 1943 como reconhecimento pela bravura dos soldados que serviram ou estavam servindo no teatro de Operações do Norte da África.

Sendo feito em algodão de textura leve, tinha o seu fundo na coloração marrom claro, com a palavra "Afrika" tendo em cada lado uma palmeira, tudo bordado com uma linha cinza-prateada (quando nova). Suas dimen-sões eram as mesmas do Ärmelband "Kreta".

Para que o piloto fosse elegível para receber o Ärmelband "Afrika" ele precisava preencher ao menos um dos seguintes requisitos:

1) ter servido seis meses na África;
2) ter se tornado inapto para o serviço militar em virtude de doença tropical desde que tenha servido ao menos     por três meses na África;
3) ter sido agraciado com alguma condecoração enquanto estava servindo naquele teatro de operação.

 

Ärmelband Kurland

O terceiro, mais raro de todos, o Ärmelband Kurland, foi instituído nos estertores do III Reich. Mas sua origem remonta ao mês de outubro de 1944, quando uma parte do Grupo Norte do Exército alemão (34 divisões, tota-lizando cerca de 400.000 homens), sob comando do Generalfeldmarschall Ferdinand Schörner (1892-1973, ga-nhador dos Brilhantes da Cruz de Cavaleiro), ficou encurralado na península de Courland (ou Kurland, para os alemães), na Letônia. Entre estas tropas estava boa parte da lendária Jagdgeschwader 54 "Grünherz" (JG 54), com ases como Gerhard Thyben e Erich Ruddorfer.

Embora várias unidades tenham sido retiradas da região antes do Armistício, quando este chegou em maio de 1945, ainda haviam 19 divisões alemãs em Kurland, que resistiram até o último dia. Neste meio tempo, como

um modo de reconhecer o esforço desesperado destas tropas, Hitler instituiu (em 12 de março de 1945) o Ärmelband Kurland.

A intenção original era que fosse utilizado um tecido prateado - sub stituído por algodão - , com 33mm a 37mm de largura, com a pala-vra KURLAND no centro, ladeado por um escudo contendo uma ca-beça de cervo (símbolo da principal cidade da península, Mitau) e por um escudo dos Cavaleiros Teutônicos, primeiros colonizadores daquela região, no século XIII.

Uma série de problemas logísticos dificultou a produção e distribui- ção destas condecorações, empregando-se um trabalho quase arte sanal e com materiais de baixa qualidade. Poucos milhares foram distribuídos antes da rendição, seguindo um critério que, ainda hoje permanece obscuro.

Mesmo assim, como prova a foto ora utilizada (mostrando um pilo-to rendendo-se aos britânicos em 1945, após evadir-se do bolsão), as tropas da Luftwaffe lutando na região também eram elegíveis pa-ra esta condecoração.

Hptm. Helmut Wettstein, Staffelkapitän 6./JG 54 logo após aterrissar em território dinamarquês depois de uma longa viagem sobre o mar Báltico.

Assim como qualquer outra condecoração do III Reich, os Ärmelbanden deviam ser acompanhados de seus respectivos documentos e alcançam preços razoáveis no mercado de colecionadores. Entretanto, várias fal-sificações têm sido observadas, mas a maioria utilizando materiais sintéticos, o que permite sua detecção.

 


Condecorações
Marcações na Fuselagem