Egmont Pr.z. Lippe-Weissenfeld
(1918 - 1944)

Major
ZG76, NJG1 e NJG5
167 missões de combate, 51 vitórias (todas à noite)
Morto em acidente aéreo (12/03/1944)

Lippe e Weissenfeld são duas das linhagens nobres mais tradicionais da Europa Central, sendo que sua história remonta aos idos da Idade Média, com profundas raízes nos meios militares dos Impérios da Áustria, Alemanha e Holanda. Daí o título nobiliárquico de "Prinz" (Príncipe) adicionado ao nome de Egmont Lippe-Weissenfeld, um dos grandes ases da história da caça noturna da Luftwaffe durante a II Guerra Mundial. Ao la-do de outro nobre de sangue azul, o Schweternträger Heinrich Prinz zu Sayn-Wittgenstein, o jovem Egmont ajudaria a manter a aura mítica que envolve os pilotos de caça que se viam como cavaleiros medievais.

Egmont Prinz zu Lippe-Weissenfeld nasceu em 14 de julho de 1918 na cidade de Salzburg, Áustria. De infância e educação privilegiadas, ele se juntaria à Luftwaffe em 1938, logo após anexação de seu país natal ao III Reich (o chamado Anschluss). Após a conclusão de seu treina-mento, como piloto de caça bimotor, ele seria comissionado como Leutnant junto a ZG 76 (Zerstörergeschwader 76), onde, nos comandos de uma caça Bf110 participaria da Batalha da Inglaterra, durante a qual foi condecorado com a Cruz de Ferro de 2ª Classe.

Entretanto, foi durante essa campanha que tornou-se flagrante a inferio-ridade do Bf110 diante dos ágeis caças monomotores da RAF (Spitfire e Hurricane), razão pela qual vários de seus pilotos foram sendo transfe ridos para uma nova e pioneira unidade da Luftwaffe: a Nachtjagdwaffe (Força de Caça Noturna), comandada pelo Generalmajor Josef Kamm-huber . Embora tal mudança fosse vista com grande ceticismo pelos pi-lotos, após o treinamento na Blindfliegerschule (Escola de Vôo "Cego") Lippe-Weissenfeld foi incorporado ao 4./NJG 1 (4º Staffel da Nachtjagd-geschwader 1) no início de 1941.

Nesta nova unidade, ele se mostrou desde o início um piloto promissor. Sua primeira vitória viria já na noite de 15.01.1941 contra um bombardeiro Whitley da RAF, razão pela qual ele foi condecorado com a Cruz de Ferro de 1ª Classe dois dias depois. Entretanto, no final daquele mês, Lippe-Weissenfeld perdeu uma das asas de seu Bf110 durante um vôo de treinamento sobre o mar e foi obrigado a saltar, sendo resgatado pouco depois, junto com seu Bordfunker, Feldwebel Rennette. Quando ele chegou em sua base pode encontrar um telegrama do General Kammhuber onde se lia: "Quem deu a você permissão para ir nadar?"

Sua segunda vitória viria em 10.04.1941, ao derrubar um Wellington britânico, ao qual somaram-se outras duas vitórias em maio, outras três em junho e, por fim mais duas (um Whitley e outro Wellington) nos dias 25 e 26 de julho daquele ano, quando já atuava como Staffelkapitän do 4./NJG 1. Com o sucesso da força de caça no-turna, decidiu-se pela criação de uma nova unidade, a NJG 2, sob comando do ás e futuro Brillantenträger Hel-mut Lent. Como conseqüência, em 1º de novembro de 1941, o já Oberleutnant Lippe-Weissenfeld foi indicado Staffelkapitän do 5./NJG 2. Até o fim daquele ano, ele acrescentaria outras três vitórias ao leme de seu avião, acumulando um total de 12 abates.

Condecorado com a Cruz Germânica em 22 de janeiro de 1942, Lippe-Weissenfeld continuaria a dar combate aos bombardeiros da RAF. Ele derrubaria dois Hampden na noite de 24.02.1942, mas seu grande dia viria em 26 de março daquele ano, quando, no intervalo de 50 minutos- entre as 22:27hs e as 23:16hs - ele abateu nada menos que quatro bombardeiros britânicos (três Wellington e um Manchester) durante um raid da RAF.

Finalmente, em 16 de abril de 1942, Prinz zur Lippe-Weis senfeld foi condecorado com a Cruz de Cavaleiro da Cruz de Ferro ao atingir a marca de 21 vitórias aéreas noturnas Mas, a despeito do recrudescimento dos combates, Eg-mont nunca perdeu sua perspectiva humana da guerra. A pós uma missão em agosto de 1942, ele nos deixou es-se impressionante relato:

"Um dos meus deveres mais fáceis e relativamente pouco excitantes como piloto de caça, era acompanhar os bombardeiros inimigos desgarrados da formação que retornavam de seus ataques à Alemanha, durante o ve-rão de 1942. Patrulhando com meu Bf110, eu os encontrei algumas vezes, principalmente Wellingtons, Whi-tleys e Stirlings, até 150 km longe da formação principal.

A despeito de não gostar deste tipo de missão por serem muito monótonas, eu sempre senti um pouco de pe-na dos infelizes e indefesos membros de suas tripulações que tentavam alcançar suas bases, quase sempre alvejados pelo Flak e por canhões, e que não eram páreo para meu mais armado e mais rápido 110.

Eu quase sempre me aproximava, examinava a aeronave e simplesmente dispa-rava alguns tiros, sem apontar com precisão. Em alguns casos a tripulação nem respondia o fogo, e tentavam fugir imediatamente.Para mim, isso era mais do que suficiente.

Apenas se atirassem de volta é que eu perseguia o bombardeiro. Talvez meus sentimentos e comportamento fossem de algum modo pouco ortodoxos, mas isto permitia que eu vivesse comigo mesmo."

Mas a guerra prosseguiu cada vez mais violenta, a despeito dos sentimentos de Weissenfeld que, por sua vez, continuou sua carreira de sucesso. Transferido de volta para a NJG 1, em junho de 1943, ele se tornaria Gruppenkommandeur do III./NJG 1 (Gruppe III da NJG 1), agora com a patente de Hauptmann.

Em 02 de agosto de 1943 Lippe-Weissenfeld seria convocado ao quartel-general de Hitler para receber de suas mãos as Folhas de Carvalho da Cruz de Cavalei-ro, tornando-se o 263º soldado da Wehrmacht a ser agraciadocom esta honraria. À esta altura, ele já havia somado um total de 44 vitórias noturnas.

No início de 1944, devido à sua experiência de combate, Egmont foi transferido para o Stabsschwarm da relati-vamente nova NJG 5. A Nachtjagdwaffe vinha sofrendo grandes perdas devido à pressão numérica exercida pe-lo inimigo, mas Lippe-Weissenfeld havia conseguido sobreviver. Contudo a sorte do Príncipe estava para aca-bar.

Em 12 de março de 1944, durante uma missão com seu Bf110G-4 "C9+CD" (Werkenummer 720010), sofreu u ma pane e chocou-se contra o solo na região de St. Hubert (Bélgica), matando toda sua tripulação. Quando de sua morte, o Major Egmont Prinz zu Lippe-Weissenfeld já havia acumulado um total de 51 vitórias aéreas no-turnas confirmadas contra os bombardeiros da RAF.

Ficha do Piloto
Unidades:
- Zerstörergeschwader 76  
- Nachtjagdgeschwader 1 - Staffelkapitän 4./NJG 1
- Kommandeur III./NJG 1 (1.6.43 - 20.2.44)
- Nachtjagdgeschwader 2 - Staffelkapitän 5./NJG 2 (11.41 - )
- Nachtjagdgeschwader 5  
Aeronaves:
  - Messerschmitt Bf 110
Campanhas:
  - Batalha da Inglaterra
- Defesa do Reich
Promoções:
 
Condecorações:
- ??.??.1940 - Cruz de Ferro de 2ª classe
- 17.01.1941 - Cruz de Ferro de 1ª classe
- 22.01.1942 - Cruz Germânica em ouro................................................(13/20)
- 16.04.1942 - Cruz de Cavaleiro da Cruz de Ferro
- 02.08.1943 - Folhas de Carvalho da Cruz de Cavaleiro ..........................(263º)


Principais Ases
Principais Aviões