Günther Rall
(1918 - 2009)

Major
JG52, JG11 e JG300
+700 missões de combate, 275 vitórias
Prisioneiro de Guerra

"A Alemanha tinha perdido a guerra, 80% das cidades estavam em ruínas, mas nós não éramos tão orientados a "dinheiro... dinheiro".
Hoje o mundo é "O que eu ganho?".
Naqueles dias eles perguntavam "O que eu posso oferecer?".

                                                                                                                                                                                     Günther Rall

Pode-se dizer que, mesmo para os leigos, o General Günther Rall é uma das figuras mais conhecidas da Luftwaffe, quando tratamos da II Guerra Mundial nos dias de hoje. Isso porque são seus depoimentos sinceros e até bem-humorados no chamado especial "Asas da Luftwaffe", levado ao ar em uma rede de TV por assinatu ra há uns anos atrás, que deu a muitos uma perspectiva mais humana não só da guerra, mas por ter dado voz àqueles que saíram derrotados. Mas, mais importante do que sua exposição na mídia, Günther Rall deve ser lembrado pelo seu maior feito: ser o 3º maior ás da História da aviação.

Günther Rall nasceu em 10 de março de 1918 na cidade de Gaggenau, na região da Floresta Negra, Alemanha. Seu pai era um comerciante que, quando de seu nascimento, encontrava-se em combate nas trin-cheiras da I Guerra Mundial, sendo que só viria a conhecer o filho após o Armistício em Novembro daquele ano. Quando tinha três anos de ida de sua família mudou-se para Stuttgart, onde ele cursou o Ginásio e o Colegial, tendo estudado grego antigo e latim, bem como literatura.

Após graduar-se no Colegial, Rall apresentou-se para o serviço militar, sendo designado em 1936 para servir junto a um regimento do Exército onde tornou-se um Oberfähnrich (oficial-cadete). Sua permanência na Infantaria não seria longa pois, em 01.09.1938, ele seria transferido para a Luftwaffe com a patente de Leutnant, tomando suas primeiras lições de vôo em Neubiberg, próximo à Munique.

Em agosto de 1939, após concluir o seu curso, Rall foi designado para servir junto ao III./JG 52 (Gruppe III da Jagdgeschwader 52). Foi voando por esta unidade que ele teve o primeiro contato com o inimigo, durante a Campanha da França. Sua primeira vitória viria em 18 de maio de 1940, pela qual foi condecorado com a Cruz de Ferro de 2ª Classe.


Durante a Batalha da Inglaterra, a JG 52 esteve sediada em Calais, voando em missões de suporte terrestre, atacando comboios e pro-videnciando missões de escolta para os Ju 87 Stuka. Rall foi nomea do Staffelkapitän do 8./JG 52 (8º Staffel da JG 52) em 25.07.1940, mas sua unidade sofreu pesadas baixas, já que o trabalho de escol ta prejudicava a atuação de seus caças Bf 109E, que também ti-nham problemas de autonomia. Mas a dureza dos combates contra a RAF serviu para preparar o jovem Leutnant para o que viria.

Após um período de descanso na Alemanha (quando as baixas fo-ram repostas), Rall e toda sua unidade foram transferidos para a Romênia, a fim de proteger os campos de petróleo e as pontes - ne-cessárias para a invasão da URSS - que existiam naquele país (en-tão aliados dos nazistas), onde ficaram até março de 1941. Após is-so, deram apoio à Campanha nos Balcãs, Grécia e em Creta. Por essa época, Rall passou a utilizar a versão "F" do Bf 109.


Em junho de 1941, com o início da Operação Barbarossa (a inva-são da União Soviética), Günther Rall foi transferido para a Frente Oriental, onde permaneceria até 1944. Seus combates desenvolve-ram-se principalmente no sudeste deste Front, em lugares como os Montes Cáucasos, Dnepropetrovsk, Stalingrado e outros. Com-batendo no início contra um inimigo mal preparado, o Oberleutnant Rall derrubaria sua segunda vítima em 24.06.1941 e, no final de no-vembro daquele ano já acumulava 36 vitórias confirmadas, sendo condecorado com o Ehrenpokal em 17.11.1941.

Contudo, em 28.11.1941, sua seqüência de sucessos foi abrupta-mente interrompida quando o seu Bf 109G-4 (Werknummer 7308) foi abatido e ele feriu-se gravemente, tendo lesionado três vértebras de sua coluna ao fazer um pouso forçado. A despeito dos médicos acreditarem que ele não voltaria voar, ele recuperou-se. Rall passa-ria os meses seguintes em um hospital, enfrentando a sessões de fisioterapia, durante as quais ele encontrou uma jovem médica cha-mada Hertha, que se tornaria sua esposa.


Embora tenha sido sua experiência mais traumática, não seria a única: ao todo, Günther Rall seria abatido oito ve-zes durante o conflito, tendo sido ferido em três ocasiões Além disso, enquanto estava no hospital, ele foi condeco-rado com a Cruz Germânica em ouro em 20.12.1941.

Retornando ao front no fim de julho de 1942, Rall conver-teu-se em um dos mais mortíferos adversários da força aérea soviética: durante o mês de agosto ele derrubaria 26 aviões russos e, no mês seguinte, outros 28 adversá- rios tombariam sob o fogo de suas armas. Em 28.08. 1942 Rall seria transferido para o 8./JG 52, onde foi no-meado Staffelkapitän. Poucos dias depois, em 03.09. 1942, Rall seria finalmente condecorado com a Cruz de Cavaleiro da Cruz de Ferro, quando já acumulava um total de 65 vitórias confirmadas.


Lutando violentamente contra as cada vez mais numero-sas forças soviéticas, Rall alcançaria a "marca mágica" das 100 vitórias em 22.10.1942.

Por esse feito ele seria chamado ao Quartel-General de Hitler para se tornar o 134ª soldado da Wehrmacht a rece ber de suas mãos as Folhas de Carvalho da Cruz de Ca-valeiro, juntamente com seu amigo Johannes Steinhoff. Mais tarde, Rall recordaria seu primeiro encontro com o Führer de modo um tanto sarcástico:

"Nós entramos e ele estava de pé em uma grande sala. Após entregar nossas condecorações, nós nos senta-mos em torno de uma lareira e ele perguntou a cada um de nós de quais unidades nós éramos, nossa experiên-cia em batalha e tudo mais. Perguntas bem normais. Bem, mas logo ele começou a discursar para nós, já que

Rall é condecorado com as Espadas.

sabendo que iríamos logo retornar ao front, esperava que repetíssemos o que ele nos dizia e que nos lembrás se-mos que grande pessoa ele era..."

Rall logo após sua 200ª vitória.

Promovido a Hauptmann, Günther Rall permaneceria nova mente longe do front, para onde retornou no início de 1943, iniciando uma nova campanha furiosa contra os so-viéticos.

Ele abateu nada menos que 18 aviões em abril de 1943 (sua 116ª vitória, em 20.04 foi também a 5.000ª vitória aé rea da JG 52), 19 aeronaves em maio, 22 em julho (alcan çando sua 150ª vitória em 08 de julho de 1943) e outros espantosos 33 aviões em agosto.

Atuando como Gruppenkommandeur do III./JG 52 desde 06.07.1943, Rall derrubaria seu 200º oponente em 29.08. 1943, tornando-se o terceiro piloto da História a alcançar tal marca. Como conseqüência, Günther Rall seria, mais

uma vez, chamado à presença de Hitler ao se tornar o 34º agraciado com as Espadas da Cruz de Cavaleiro da Cruz de Ferro.

Após uma breve pausa até fins de setembro, Rall bateria seu recorde pessoal de vitórias em um único mês, ao derrubar nada menos que 40 aviões russos durante o mês de outubro, aos quais somaram-se outros 12 derru-bados ao longo de novembro de 1943. Nesse ínterim, em 28.11.1943, Günther Rall se tornaria o segundo pilo-to da História a alcançar a marca de 250 vitórias aéreas (o primeiro foi Walter Nowotny). Após um breve inter-valo durante o inverno de 1943/1944, Rall alcançaria suas 253ª a 273ª vitórias no período compreendido entre 26 de fevereiro e abril de 1944.

Em 19.04.1944 Günther Rall finalmente deixaria a JG 52, ao ser nomeado Gruppenkommandeur do II./JG 11, unidade sediada na Alemanha, onde atuaria no Reichsverteidigung (a Defesa do Reich), voando contra os bombardeiros americanos e ingleses e seus ca- ças de escolta da 8ª Força Aérea.

Em 12 de maio de 1944, enquanto voava em uma missão de inter-ceptação de bombardeiros, à bordo de seu Bf 109G-5 "schwarzer Doppelwinkel" (Werkenummer 110089), o agora Major Rall engajou-se em um combate com uma escolta de caças norte-americanos P-47. Pouco após abater sua 275ª e última vítima, seu avião foi atingindo e, enquanto estava saltando de seu avião em chamas, uma nova rajada de tiros veio a decepar a primeira falange de seu polegar esquerdo.

Esse ferimento impediria Rall nos próximos meses de assumir qual quer comando na frente de combate, o que provavelmente salvou sua vida. Após sua recuperação ele atuaria como instrutor de vôo. Durante esse período ele testou o revolucionario jato Me 262, mas não chegou a pilotar esta aeronave em combate.

Rall é homenageado por sua 250ª vitória.


Rall depois do combate de 12.05.1944

Quando possuía apenas algumas horas de vôo naquele avião, em 20 de fevereiro de 1945, Rall foi designado para assumir o comando da JG 300 que estava equipada com os Bf 109G e K e sediada em Plattling, Bavária. Mas, a esta altura, o Reich estava desmoronando e as opera- ções da sua unidade eram esporádicas, como disse o Major Rall em uma entrevista:

"Em fevereiro de 1945, já não havia mais missões normais de caça. O que nós estávamos fazendo era procurar alvos de oportunidade. Nós não tínhamos idéia de onde o inimigo estava em momento algum. Nós estávamos totalmente no escuro (...) No caminho para Salzburg, em abril, eu dissolvi a Geschwader, já que a guerra havia acabado..."

Foi em Airing, próximo a Salzburg (Áustria), que a guerra acabou para Günther Rall. Ele foi capturado pelos americanos quando tentava che-gar à sua casa e levado a um campo de prisioneiros naquela região. De vido à sua fama, Rall foi várias vezes interrogado pelo Corpo de Contra Inteligência norte-americano, bem como pelos britânicos, tendo passa-do alguns meses na Inglaterra (onde foi "colega de quarto" de Rudel).


Após a guerra, Günther Rall empregou-se na indústria ale mã mas, em 1955, seus velhos amigos Johannes Stein-hoff e Dieter Hrabak pediram que se juntasse à nova Luft-waffe, que estava sendo reconstruída.

Reintegrado à Bundesluftwaffe em 01.01.1956 com a pa-tente de Major, Rall iria efetuar treinamentos tanto na Ale manha como nos EUA.

Lá ele pilotou os jatos Republic F-84 Thunderjet e, no final dos anos 50 e início dos anos 60, tornou-se o Oficial responsável pelo projeto do caça supersônico F-104 Star-fighter.

Rall em frente a um caça supersônico F-104 Starfighter em 1966.

Rall na Bundesluftwaffe.

Na nova Luftwaffe (que faz parte da OTAN), Günther Rall tornou-se che fe de Staff do 4º Grupo Tático da Força Aérea Aliada (OTAN) e, por fim, Chefe de Comando da Força Aérea Alemã.

Günther Rall finalmente foi para a reserva em 30.09.1975, com a pa-tente de Generalleutnant tornando-se consultor da indústria aeronáu-tica, bem como assíduo freqüentador dos encontros de veteranos, tanto alemães quanto aliados.

Ao longo da II Guerra Mundial, Günther Rall havia voado mais de 700 missões de combate, durante as quais alcançou a marca de 275 vitó- rias aéreas (incluindo 241 caças, 15 Il-2 e 10 bombardeiros). Destas, todas, à exceção de três, foram obtidas contra aviões soviéticos.

Na sua aposentadoria, Günther Rall viveu em Stuttgart, Alemanha, gozando de boa saúde e permanecendo ativo até quase seus últimos dias de vida. Em 2004 lançou sua esperada biografia, chamada "Mein Flugbuch" (Meu Livro de Vôo).

O grande ás Günther Rall faleceu repentinamente de um ataque cardíaco em sua residência em 04 de outubro de 2009, aos 91 anos de idade. Sua perda foi lamentada nos círculos de estudiosos, militares e veteranos.

Bf 109G-2 (WNr 14977) - Oblt. Günther Rall, 8/JG52 - Soldatskaya/URSS - setembro, 1942



Bf 109G-6 - Maj. Günther Rall, Kommandeur III./JG 52 - Apostolovo/URSS - novembro, 1943


Ficha do Piloto
Unidades:
- Jagdgeschwader 52 - Staffelkapitän 8./JG 52 (25.07.1940)
- Kommandeur III./JG 52 (6.7.43 - 18.4.44)
- Jagdgeschwader 11 - Kommandeur II./JG 11 (19.4.44 - 12.5.44)
- Jagdgeschwader 300 "WildeSau" - Kommodore (20.2.45 - 8.5.45)
Aeronaves:
Messerschmitt Bf 109
Campanhas:

Blitzkrieg
Batalha da Inglaterra
Frente Oriental

Promoções:
 
Condecorações:
- 23.05.1940 - Cruz de Ferro de 2ª classe
- ??.07.1940 - Cruz de Ferro de 1ª classe
- 17.11.1941 - Troféu de Honra
- 20.12.1941 - Cruz Germânica em ouro.................................................(3/10)
- 03.09.1942 - Cruz de Cavaleiro da Cruz de Ferro...................................(548º)
- 26.10.1942 - Folhas de Carvalho da Cruz de Cavaleiro ..........................(134º)
- 12.09.1943 - Espadas da Cruz de Cavaleiro ..........................................(34º)

Rall no cockpit do Bf 109G-6 "2-branco" do National Air and Space Museum - Washington/EUA. Walter Schuck (no cockpit do Bf 109G-6 "2-branco") e Rall no National Air and Space Museum - Washington/EUA.

 


 

Principais Ases
Principais Aviões